Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades

Velas de Shabbat – Porquê?

  |   Judaísmo

De acordo com a Torá, o mundo foi criado pelas diferenças que se podem verificar  na Natureza: a luz e a escuridão, a terra e o céu, terra e mar, as aves no ar e os peixes no mar, os mamíferos e os seres humanos, homens e mulheres. A Criação não se pode deduzir da Natureza: a distinção entre os dias úteis e o Shabbat. Isso não é  “natural”. Então, esta última distinção é um bom sinónimo de algo que não se pode ver na Natureza: D’us. Por isso, quando os Judeus santificam o shabbat, eles confirmam desse modo que o mundo não só tem o que nós podemos ver e experimentar, mas que também tem esperança e força da vida. Por isso,  nós judeus podemos fazer sempre luz na escuridão, de forma que possamos ver. Então, o shabbat é o sinal (em hebreu אות “ot”) para a relação entre D’us e Israel para sempre.

 

COMO?

São precisas apenas duas velas. Porém, há famílias que acendem uma vela por cada membro.

O shabbat começa quando a escuridão inicia – mas não exatamente no ponto, porque somos protegidos para não quebrar o shabbat. Se os nossos relógios não funcionarem correctamente, não estaremos prontos no momento exacto. O shabbat começa quase 18 minutos antes desse momento. Existem calendários e páginas web que dizem o tempo. O horário para Lisboa poderá ser consultado aqui.

Judeus ortodoxos acendem as velas só até esse momento. Poderá  ser mais cedo, mas não mais tarde, porque em shabbat não fazemos fogo. O judaísmo progressista acha que cada pessoa tem que se questionar sobre o que é ou será mais importante: se não é possível acender as velas antes desse tempo, seria melhor não acendê-las e honrar a tradição? Ou acender mesmo mais tarde para se lembrar do significado do shabbat e criar uma atmosfera diferente na casa? Pense você mesmo sobre essa questão .

* Algumas pessoas fazem  uma meditação antes de acender as velas. Outras têm a tradição de doar dinheiro antes do shabbat para os  mais pobres ou para outra finalidade (dar ‘tzedaka’).

* Acender das velas: No judaísmo ortodoxo só as mulheres o fazem, no judaísmo progressista cada um o pode fazer. Se se está no hospital ou num lugar onde não se pode fazer fogo, pode dizer-se a bênção sobre luz eléctrica.

* Segurar sua mão na frente dos olhos: Nós fazemos isso porque depois de dizer a bênção, a shabbat já começou e nós não podemos fazer fogo.

* Dizer a bênção sobre a velas de shabbat: Barukh atá Adonai, eloheinu mélech haolám, asher kideshánu bemitsvotav vetsivánu lehadlik nér shel shabbat. “Bendito sejas Tu, ó Eterno, nosso D’us, rei do Universo, que nos santificaste com as Tuas mitzvot e nos ordenaste acender as velas do Shabbat.”

* Retirar as mãos dos olhos e ver a luz das velas: Algumas pessoas fazem um movimento como se recolhecem a luz, a paz e a bênção das velas para si  mesmas e para a casa.

* Algumas famílias têm a tradição de dizer também uma bênção sobre os filhos e as filhas.

* O shabat começa neste momento e nós fazemos coisas diferentes das que fazemos nos dias úteis, para que o shabbat seja santo – quer dizer especial.

 

ESTUDAR

É uma tradição  judaica  escolher um texto curto para estudar regularmente com um companheiro/amigo  (um “haver”) e discutir o que esse texto pode querer dizer no geral, no antigo, no presente e o que no hebreu significa, etc. Há em baixo uma lista das fontes sobre as velas de shabbat. Se não estudou antes, comece com o primeiro texto.

 

Torá: Bereshít 1:1-2:3 ; Shemot 31:16-17.

Sidur (bênçãos e com meditações) Shabbat Shalom (CIP) p. 1; Sidur Chadash (Comunidade Shalom) p. 25-34; Sidur Completo p. Editora e Livraria Sefer.

Literatura rabínica e Halacha: Mishná Shabbat 2:1-7; Talmud Shabbat 23 a- b; Shulchán Aruch 263:5; Mishná Berurá 263:22

Dr.ª Annette Boeckler

Acessos: 2986

Annette Boeckler
Dr.ª Annette Mirjam Böckler é professora de Liturgia Judaica e Bíblica na Universidade Leo Baeck, em Londres, onde é também Bibliotecária. Escritora e tradutora em matérias Judaicas (sendo a tradutora do Seder haTefillot - o primeiro livro de Orações liberal após o Shoah na Alemanha), tem desenvolvido a tradução da edição alemã dos comentários da Torah de W. Gunther Plaut.