Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

Parashá da Semana

  |   Judaísmo

Parashá da Semana

Saber esperar, se preparar e se motivar

– O que você sabe fazer? – perguntou o chefe de Recursos Humanos da grande empresa ao jovem monge que pretendia provar sorte no mundo corporativo.

–  Jejuar, calar e esperar, respondeu o jovem.

 

Desse modo, Hermann Hesse disse no seu livro Siddharta que saber esperar é um desafio não menor que saber jejuar e saber calar.

 

Samuel Beckett, na peça Esperando Godot, sugere que, sempre, estamos em espera. Que viver é uma espera. Esperamos crescer, nos formar, vender, comprar, alcançar uma posição social, profissional e familiar. Esperamos aprender, entender, saber. Esperamos ganhar, esperamos amar e ser amados.

 

A grande pergunta é: Como esperamos? Desesperadamente? Tentando matar o tempo? Sem conseguir fazer outras coisas? Tentando esquecer a espera?

 

A espera nem sempre precisa ser passiva.

 

Será que cabe fazer algo em prol do esperado enquanto esperamos? Sempre é possível?

 

Os nossos antepassados agricultores sabiam que, mesmo na espera do amadurecimento do fruto, devemos saber quando regar, quando proteger e quando deixar a natureza fazer a sua parte. Mais claro ainda é o que podemos fazer em prol de outras esperas cujas metas dependem muito mais de nós. A forma pela qual esperamos o título, o dinheiro, o amor, o filho, a sabedoria e a reconciliação é determinante de como chegarão a nós esses objectivos e de como nós nos encontraremos ao alcançá-los. Desgastados, abatidos, concentrados na meta seguinte em vez de desfrutando a alcançada, ou com uma motivação renovada e reforçada.

 

Nesta época do ano nos encontramos na contagem do Ômer, que é uma forma de contar o tempo entre a saída do Egipto e a recepção da Torá. Contamos o tempo como quem espera a chegada de algo significativo. Essa contagem, segundo conta e manda a parashá da semana, existia, inclusivé, antes da história da saída do Egipto. Era uma prática agrícola realizada entre a primavera e a primeira colheita. Através dela, o agricultor se preparava para o grande dia de recolher os primeiros frutos, reconhecia a sua função na espera e, ao mesmo tempo, a sua limitação. Contava o tempo renovando a sua paciência, a sua força, a sua responsabilidade e a sua aceitação daquilo que não dependia dele. Renovava a sua motivação dia a dia.

 

Nos nossos dias a fórmula da contagem inclui uma frase sobre a valorização da obra diária das nossas mãos. Saber ver o significado da nossa influência para quem está à volta, para nós e para o próprio Deus. Segue com uma bânção pela consciência de vivermos mais um dia e de termos nos aproximado mais um dia da nossa meta. E, por fim, a contagem em si inclui o detalhe do dia contado e das semanas transcorridas.

 

Que possamos significar cada semana, cada dia e cada hora. Que saibamos reconhecer e valorizar a influência que podemos ter no que acontece no tempo que nos foi dado. Que saibamos esperar com renovada força, ilusão, paciência e acção as melhores metas.

Shabat Shalom

Rabino Ruben Sternschein

Fonte cip.org.br
Parashá da Semana - פרשת בחקתי
Início
Fim
Tel Aviv
19:19
20:27
Jerusalém
18:54
20:25
Haifa
19:20
20:28
Beer Sheeva
19:17
20:25
Zmanim Diário

Acessos: 79560

Ohel Jacob
Sinagoga de rito Progressista, única askenazi em Portugal, fundada em 1934. Membro Afiliado da EUPJ/WUPJ (European Union Of Progressive Judaism / World Union Of Progressive Judaism) desde Abril de 2016.