Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

Parashá da Semana

  |   Judaísmo

Parashá da Semana

Um Lembrete de Quem Somos

Se alguém quisesse escolher uma única parashá para estudar, talvez a de Vaetchanan desta semana, Devarim 3: 23-7: 11, fosse uma boa selecção. Nela encontramos a repetição do Aseret Hadibrot (os 10 Mandamentos), Devarim 5: 1-18. Também lemos Shemá e Veahavta, Devarim 6: 4-9. Uma porção da Torá muito rica e complexa, mas quero ter a certeza que prestem atenção aos versos iniciais, em Devarim 3: 23-28, nos quais obtemos o nome da porção, Vaetchanan, “implorei …”

Estes versículos iniciais nos lembram da profunda humanidade que Moisés nos oferece até mesmo hoje. Ele reconta aos israelitas sobre o seu passado, a fim de os ensinar sobre o seu destino, e o texto ilumina um humano, tentando convencer Deus a reconsiderar o seu destino único! Deus havia punido Moisés, em Bamidbar 20, quando este atingiu a rocha por duas vezes, em vez de falar com ela como lhe havia sido ordenado. Esse exemplo aparentemente simples de distracção humana significou que Moisés não entraria na terra com o povo. Nos versículos finais de Devarim, Moisés será descrito como o único profeta que conheceu Deus, ‘panim-el-panim’ – ‘cara a cara’. No entanto, no início deste livro, pede apaixonadamente a Deus que reconsidere o castigo.

Todo a gente que eu conheço já esteve nessa circunstância em algum momento das suas vidas. Com um pai, professor, chefe, amigo, irmão ou até filho “suplicando” que alguém reconsidere a sua decisão. Ainda mais profundamente, fomos a pessoa a quem outra pessoa suplicou!

Ser humano requer uma aceitação da imperfeição, de se distrair e de não pensar no que estávamos a fazer, mas sem parar e, de repente, já estamos a atingir alguma pedra ‘duas vezes’. Cada um de nós tem a sua própria lista daqueles momentos de autoconsciência quando entendemos antes mesmo de sermos corrigidos e responsabilizados.

Moisés usa uma estratégia tentada por muitos de nós, primeiro louvando a Deus: “… Deixas o Teu servo ver as primeiras obras da Tua grandeza e da Tua mão poderosa. Tu, cujas acções poderosas nenhum deus no céu e na terra pode igualar! (v: 24)”, “Mas o Eterno ficou furioso comigo… e não quis ouvir: Basta! Nunca mais fales comigo sobre esse assunto! (v: 26)” É uma resposta tão dolorosa, mas uma troca tão compreensível, e não importa quem se é, se pára e se imagina Moisés sentindo o aguilhão das palavras de Deus. Corre-se o risco de pedir uma nova consideração, e a resposta traz uma finalidade que faz qualquer leitor parar para pensar sobre esta experiência em termos humanos.

Esses poucos versículos iniciais lembram a todos os leitores, a todos os alunos da Torá, a quem ouve os escritos da Torá, que a Revelação Eterna de Deus, o Aseret Hadibrot e o Shemá foram dados à humanidade! Precisamos ser lembrados de que, se Moisés era imperfeito e punível, que MESMO Moisés pudesse implorar e ser respondido com: ‘Basta!’. Então, certamente, somos lembrados de que o nosso relacionamento com Deus, com a Torá e o nosso compromisso sempre renovado de viver por essas mitsvot vêm somente quando permanecemos humildemente como humanos diante do mistério de Deus.

Nos últimos meses, testamos cada um de nós sobre o nosso senso de ser humano. Temos medo de doenças, estamos confusos sobre o quão pouco sabemos e preocupados com um futuro de muita incerteza. Quando paramos e experimentamos esse exemplo gritante da tentativa final de Moisés de se juntar ao povo… ele é tão humano. A porção da Torá elevará todo o estudante com a sua majestade de mandamentos e a declaração mais significativa da nossa fé. Mas devemos sempre lembrar que, como Moisés, só podemos nos esforçar para conhecer Deus, ‘panim el panim’ – ‘cara a cara’ – por causa da nossa humanidade.

Shabat Shalom
Rabino Joseph A. Edelheit
(Professor Emérito de Estudos Religiosos e Judaicos da Universidade Estadual de St. Cloud e também Rabino Fundador da Bet Tikvá, Associação Israelita Norte Paranaense da URJ-LA)

Fonte cip.org.br
Parashá da Semana - פרשת עקב
Início
Fim
Tel Aviv
19:16
20:13
Jerusalém
18:52
20:10
Haifa
19:16
20:14
Beer Sheeva
19:15
20:11
Zmanim Diário
ohel - Parashá da Semana
Sinagoga de rito Progressista, única askenazi em Portugal, fundada em 1934. Membro Afiliado da EUPJ/WUPJ (European Union Of Progressive Judaism / World Union Of Progressive Judaism) desde Abril de 2016.