Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

Parashá da Semana

  |   Judaísmo

Parashá da Semana

Apegar ou desapegar?

Os nossos tempos transmitem uma tensão na hora de considerar o apego e o desapego. Por um lado, ouvimos e lemos sobre a importância de parar o materialismo, o consumo, o shopping. Deixar de se enganar com a ilusão de que o que temos diz algo sobre quem somos. Lembrar que saímos do mundo como chegamos, nus. Nem as roupas, nem os carros, nem as contas bancárias, nem as propriedades, que tenhamos ou percamos, farão diferença, nem nos farão melhores, mais felizes, mais justos, mais dignos, nem mais lembrados.

Por outro lado, o desapego de tudo parece se assemelhar com o desinteresse, com a apatia e até com certa irresponsabilidade. Como se o desapegado de tudo dissesse: ”nada é meu afinal de contas, nem os bens, nem as virtudes, nem as qualidades, nem a história, nem a vida. Olhando para a imensidão do espaço e para a infinitude do tempo sou um detalhe passageiro e insignificante que nada possui realmente”. Esta postura de desapego total evita qualquer egoísmo mas também qualquer empatia, qualquer envolvimento ou acção em prol de qualquer causa. Até poderia acabar por desprover a vida de sentido.

Então, qual seria a atitude recomendável? Apegar-se ou desapegar-se?

A parashá da semana conta um antigo ritual que poderia esconder uma solução.

Uma vez que os judeus voltaram à terra de Israel, a cultivaram e começaram a aproveitar os seus frutos, assim que apareciam os primeiros deviam ser colocados numa cesta, levados ao templo, e entregues nas mãos do Cohen. Naquele momento cada um deveria recitar uma fórmula que lembrava a história passada. Essa lembrança devia incluir os momentos de pobreza e incerteza e a gratidão pelos frutos obtidos. Mas o mais destacado é um detalhe subtil:  a pessoa devia falar em singular sobre a história que o precedeu. Devia dizer “o meu pai foi um arameu fugitivo…” ao referir-se aos patriarcas. Ou seja, tratava-se de um acto de doação dos primeiros frutos que lembrava a precariedade passada para promover a gratidão e a humildade diante das conquistas presentes. Só que a acção consistia em desapegar-se e apegar-se ao mesmo tempo! Desapegar-se dos frutos e das conquistas próprias atribuindo elas a Deus e eles ao bem público do Templo. Ao mesmo tempo devia se apegar à história de um modo individual, se apropriar de patriarcas ancestrais, de tempos distantes, como se fossem os próprios pais individuais, e como se a sua história fosse a nossa história pessoal. Desapego material e apego histórico. Desapego a conquistas pessoais e apego ao vínculo maior. Talvez essa seja a fórmula mais saudável, honesta e verdadeira.

Que possamos reconhecer o nosso “sermos parte” da humanidade, da sociedade, do povo de Israel, das suas tradições, valores e jornadas em forma pessoal. Apropriando-nos com sentido, orgulho e responsabilidade de cada conteúdo dessa pertença, de cada momento. Cuidá-la, desenvolvê-la, transmiti-la.  Que possamos nos desapegar do engano de que possuímos algo do que temos ou somos, freando assim as disputas pelo poder, para dar espaço à solidariedade, à humildade e à responsabilidade de partilhar o mundo.

Shabat shalom

Rab. Dr. Ruben Sternschein 

Fonte cip.org.br
Parashá da Semana - פרשת נצבים
Início
Fim
Tel Aviv
18:13
19:20
Jerusalém
17:49
19:18
Haifa
18:12
19:19
Beer Sheeva
18:13
19:20
Zmanim Diário
Ohel Jacob
Sinagoga de rito Progressista, única askenazi em Portugal, fundada em 1934. Membro Afiliado da EUPJ/WUPJ (European Union Of Progressive Judaism / World Union Of Progressive Judaism) desde Abril de 2016.