Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

Parashá da Semana

  |   Judaísmo

Parashá da Semana

Valorização da vida no judaísmo

Revisitando o sacrifício de Isaac

Uma interpretação contemporânea da passagem bíblica que descreve o sacrifício de Isaac, ou “o aprisionamento de Isaac”, como o nome hebraico akedá sugere, nos oferece uma óptima oportunidade para analisar o valor que o judaísmo atribui à vida.

A leitura literal da história sugere que tudo se tratava de um teste, uma experiência. Assim está escrito: “Vehaelohim nissa et Avraham”, e Deus colocou Abraão em prova. Desta maneira, Deus queria saber se o patriarca tinha fé absoluta e ele passou no teste em que outros talvez seriam reprovados.

Outra possibilidade foi explorada. Talvez toda a história seja um protesto contra sacrifícios humanos. Assim como os primeiros filhotes do gado eram oferecidos a deuses, havia uma prática recorrente de se oferecer o primeiro filho em altares de sacrifícios. Assim, toda a narrativa tem por objectivo marcar, com cores extremamente fortes e de maneira muito dramática, a noção de que israelitas não realizam sacrifícios humanos.

Seria o objectivo da passagem bíblica ensinar que a voz de Deus deve estar acima da consciência humana? Quando Deus nos ordena algo, mesmo que nos pareça absolutamente absurdo, devemos seguir cegamente? Algo que o filósofo Kierkegaard, teólogo dinamarquês do século 19, chamou de “suspensão teológica da ética”. Esta possibilidade assusta muito porque abre as portas para um fanatismo sem fronteiras.

Acredito num judaísmo que prega justamente o contrário. A religião não anula a consciência humana. Em vez disso, é justamente por meio da nossa responsabilidade ética que nos tornamos indivíduos religiosos.

Uma interpretação surpreendente para o sacrifício foi sugerida por Theodor Reik, psicanalista austríaco que viveu no início do século 20. Reik traçou um paralelo entre a história da akedá e os rituais de passagem em diversas sociedades antigas. Um menino que abandonava a infância e se tornava adolescente era afastado da companhia de mulheres e era submetido a alguma experiência de ameaça à sua vida, que muitas vezes incluía a simulação da sua morte. Depois disso, era recebido como um homem capaz de assumir responsabilidades dentro da sua tribo. Segundo essa possibilidade, o “aprisionamento de Isaac” foi uma cerimónia antiga de Bar Mitsvá (ritual de maioridade judaica do menino, que ocorre aos 13 anos de idade) semelhante a rituais indígenas dos nossos dias, que incluem caminhar sobre carvão em brasa, ser picado por formigas venenosas ou caçar animais ferozes.

Judeus que sofreram perseguições, em gerações posteriores, leram a akedá de outra forma. Comunidades medievais perseguidas viam a si próprias como reproduções do drama de Isaac sem, no entanto, contar com a voz redentora que ordenou Abraão largar a faca, poupando a vida do seu filho. Existe ainda um midrash que sugere que Isaac foi efectivamente sacrificado e depois ressuscitou.

A nossa tradição religiosa pluralista permite que não escolhamos uma única interpretação como correcta tendo que descartar as demais. Ao contrário disto, o judaísmo nos convida a aceitar a existência de diversas interpretações verdadeiras. Mais do que isso, somos incentivados pela nossa cultura multifacetada a criar as nossas próprias interpretações.

Gostaria de sugerir uma leitura particular da akedá e retomar a leitura literal da história que diz: “Vehaelohim nissa et Avraham”, e Deus colocou Abraão em prova. Na minha opinião, o aprisionamento de Isaac foi um teste de Deus e Abraão foi reprovado. Deus queria verificar se aquele homem crente era capaz de colocar o seu humanismo no mesmo patamar da sua fé e Abraão falhou. E porque Deus fez esse teste? Porque Ele sabia que nas futuras gerações muitas pessoas fariam crueldades em nome de d’Ele. Muitos homens e mulheres diriam ter ouvido deuses que ordenam a guerra e a destruição e agiriam em nome dessas divindades. O nosso Deus queria transmitir a mensagem de que a religião não exclui o questionamento.

Vivemos num mundo em que o fanatismo religioso é uma realidade em todas as tradições. A história do sacrifício é, ao meu ver, um alerta poderoso de que devemos ser pessoas de fé, escutar e seguir a voz de Deus e ao mesmo tempo, para que passemos no teste em que Abraão foi reprovado, precisamos permanecer humanos. A nossa crença em Deus não pode suspender a nossa ética. Muito pelo contrário, quanto mais defendermos a vida, mais próximos estaremos d’Aquele que é a origem de toda vida.

Se prestarmos atenção aos chamados de Deus, perceberemos que eles caminham num só sentido. A nossa tradição religiosa valoriza a vida acima de tudo. A cultura judaica vê na família a instituição mais sagrada que existe. O amor ao próximo é um bem inquestionável. Ser bom judeu significa praticar ticun olam – aprimorar o mundo todos os dias.

Que possamos ouvir as ordens de Deus e quando sentirmos que alguma delas se opõe àquilo que a nossa consciência nos diz ser correcto, não escutar significará ser aprovado no teste da vida.

Shabat shalom
Rabino Michel Schlesinger 
Fonte cip.org.br
Parashá da Semana - פרשת חיי שרה
Início
Fim
Tel Aviv
16:19
17:27
Jerusalém
15:56
17:26
Haifa
16:17
17:25
Beer Sheeva
16:21
17:29
Zmanim Diário
Ohel Jacob
Sinagoga de rito Progressista, única askenazi em Portugal, fundada em 1934. Membro Afiliado da EUPJ/WUPJ (European Union Of Progressive Judaism / World Union Of Progressive Judaism) desde Abril de 2016.