Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Filter by Categories
Acontecimentos
Actividades
Divulgação
English
Eventos
Festividades
História
Institucional
Judaísmo
Personalidades
Português

O Shofar – Porquê?

  |   Judaísmo, Português

A raiz hebreia sh-f-r (שפר) significa “melhorar, reformar, recuperar”. Mas o substantivo, o shofar (שופר), quer dizer um chifre corroído de um bovídeo kosher, de preferência de um carneiro. Tradicionalmente, os sefarditas usam um chifre curto, os asquenazitas preferem um chifre mais longo e curvado.

O Shofar é um dos instrumentos musicais mais simples no mundo. Ainda não tem quaisquer buracos ou botões para alterar o tom como numa flauta ou trompete. O shofar só pode fazer um único som. E dependendo de quão forte se soprar nele, esse som poderia ser uma oitava mais alta ou mais baixa ou o quinto. E dependendo de quão longe se soprar, o som é mais breve ou mais longo. Mas isso é tudo. Não se pode tocar um concerto com este instrumento tão simples. Felizmente, ninguém espera isso, de qualquer forma.  Esse som tão alto e tão forte de repente interrompe tudo, tanto silêncio e ruído. É como um telefone móvel ou uma vuvuzela do tempo passado.

 

Mas o shofar chama quem?

A ideia mais jovem e não rabínica é que o shofar seria tocado para nós, os seres humanos. E, em geral, isso é a posição do Judaísmo Progressista. O som do shofar é um alarme para nos fazer voltar para a simplicidade da vida e para as perguntas mais básicas. Quem sou eu? Onde eu quero ir? Qual é a minha vida? Qual o meu amor verdadeiro? Quais são os meus objectivos? Talvez tenhamos que fazer um retorno (em hebreu: תשובה “teshuvá“). “Acordai, vós dormidos! E considerai as vossas obras! Lembrai-vos do vosso Criador! E retornai a Ele em arrependimento!” (Maimónides, Hilkhot Teshuvá 3:4)

Mas a resposta tradicional rabínica é diferente. O som do shofar não é para nós. É para Deus! Para que Deus se lembre do soluçar dos seres humanos. Que Deus se lembre como é curta esta nossa vida, e como é frágil… por isso Deus tem que nos tratar com grande misericórdia e cuidado. Por isso o shofar. Um alarme para Deus.

O Talmud conta: “Rabi Abbahu disse: Por que fazemos soar o shofar? – Porque Deus disse: Toca para mim um chifre de carneiro para que eu possa lembrar-me da ligação de Isaac, filho de Abraão, para o seu benefício, e eu o tomarei como se fossa a ligação de vós diante de mim. A Torá conta: ‘Abrahão levantou seus olhos e viu, e eis que um carneiro estava embaraçado numa árvore por seus chifres’ (Génesis 22:13). Isso nos ensina que Deus mostrou ao nosso pai Abraão como o carneiro se livra de um matagal e se enleia noutro. Deus disse a Abraão: Então são as tuas crianças destinadas a ser apanhadas em iniquidades e enredadas em desgraças, mas no final elas serão resgatadas pelos chifres de um carneiro.” [Rosh Hashanah 16a]

Segundo, ainda, outras opiniões, tocamos o shofar para dar o som da coroação de Deus, que proclamamos como Rei do mundo. De acordo com a liturgia de Rosh haShaná, o som do Shofar lembra a revelação de Deus no Sinai, quando Deus nos entregou a Torá ao som do Shofar. E outros dizem que o shofar é o som do tempo futuro messiânico, quando todos serão livres e perfeitos. A Mussaf – a Amidah complementar – de Rosh ha Shaná nos conta várias razões para o shofar. O som do shofar convida a estudar e a fazer interpretações. Nós temos que buscar a nossa interpretação para o nosso tempo e a nossa situação.

O que é mais importante? Ouvirmos o som do shofar? Ou Deus? Para muitos judeus o som do shofar é um dos momentos máximos de todo o ano judaico.

shofarQuando?

O shofar toca-se no mês do Elul, ao fim do cada serviço da manhã.

Toca-se especialmente no Ano Novo Judeu (“Rosh haShaná”). Esse dia na Bíblia chama-se mesmo Iom haTeru-á “Dia do ruído” (Num 29:1). Ouvimos o shofar imediatamente depois da leitura dos Profetas. Ouvimos seguidamente, por várias vezes, durante a reza especial do Rosh haShaná (“Mussaf”), a reza mais longa do ano. Algumas sinagogas progressistas que não têm um serviço de Mussaf, têm em vez disso uma longa cerimónia com o shofar depois do serviço da Torá. Tradicionalmente, tocam-se 100 sons a cada dia de Rosh haShaná. Os Asquenazitas não tocam o shofar no Shabat, pois pretendem seguir também o versículo bíblico que fala sobre um “memorial de toque de Shofar” (Leviticus 23:24). Porém, as sinagogas hispano-portuguesas tocam o shofar no Rosh haShaná independente de ser Shabat – e assim fazem os Progressistas.

Ouvimos o shofar uma última vez ao fim do Iom Kipur. (Apenas 5 dias depois se ouve um som completamente diferente, o som suave, frágil e silencioso de uma planta – tema desenvolvido no próximo artigo.)

 

Fontes de estudo

Torá: Êxodus 19:19; Leviticus 23:24; Leviticus 25:9; Números 29:1

Mishná: Tratado Rosh haShaná 3.

Maimónides: Mishné Torá, Hilkhot Teshuvá 3:4

 

Este Artigo continua > Quantos Sons Tem o Shofar?

 

Annette Boeckler

Dr.ª Annette Mirjam Böckler é professora de Liturgia Judaica e Bíblica na Universidade Leo Baeck, em Londres, onde é também Bibliotecária. Escritora e tradutora em matérias Judaicas (sendo a tradutora do Seder haTefillot – o primeiro livro de Orações liberal após o Shoah na Alemanha), tem desenvolvido a tradução da edição alemã dos comentários da Torah de W. Gunther Plaut.