Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

Tu Bishvat: dia feliz com muitos significados

  |   Festividades, Judaísmo

Há quantos Anos Novos? Um? Não! No Judaísmo existem quatro no mesmo ano! Mas porque precisamos de quatro ano novos? A Mishná diz (Rosh Hashaná 1:1) que os quatro anos novos são: o primeiro dia do mês judeu Nisan – o ano novo para os reis e para as festividades (início do ano civil e do ano religioso); o primeiro do mês Elul – o ano novo para o dízimo dos animais… (no passado, era importante para os impostos em função do templo e dos sacrifícios, início do ano comercial); o primeiro de Tishri (o “Rosh haShaná”) – o ano novo para a contagem dos anos (agora 5777 de acordo com a contagem judaica); e finalmente, o primeiro dia de Shevat – o ano novo para as árvores, de acordo com a escola de Shammai, mas a escola de Hillel diz ser no décimo quinto dia de Shevat. Quinze em hebreu engloba as letras ט (tet) e ו (vav), então טו “tu”.

 

De acordo com a tradição de Rabi Hillel, o dia Tu bi Shevat é o dia em que começa o ano de contagem para os frutos e a idade das árvores. É importante para uma mitzvá na Torá: Não comer o fruto de árvores nos seus primeiros três anos (Leviticus 19:23). Então temos que saber quando uma árvore tem 4 anos. Mas porque havemos de celebrar o aniversário das árvores, hoje em dia, nas sinagogas, como se fosse Pesach com um seder e não só?

 

1 Os sete frutos da terra de Israel

 

Foi uma ideia sefardita. Judeus da Espanha que vieram a Sefat no Norte do Israel identificaram-se com as árvores e as frutas dos árvores. Como as árvores produzem novos frutos após o Inverno, também haverá sempre um renascimento do povo de Israel. Por isso os cabalistas criaram um seder – uma ordem de comer coisas simbólicas – baseado nos quatro diferentes modos cabalísticos da criação, inspirados pelos quatro elementos da natureza (fogo, água, terra e ar), e as quatro estações do ano e diferentes tipos de pessoas entre nós. Eles classificaram as frutas dos árvores em três tipos diferentes: frutos de casca dura, frutos com caroços e aqueles completamente comestíveis. Cada tipo é um símbolo para a nossa vida espiritual ou tipos de carácteres diferentes na comunidade. Juntamente com o vinho branco e tinto – símbolos para as estações – estes sefarditas criaram um seder com textos cabalísticos e pensamentos místicos (na verdade, a escolha dos textos é livre, apenas a ordem das comidas e bebidas importa). O seder começa com vinho branco seco – símbolo do inverno – e frutas de casca dura (como às vezes é difícil ser religioso!), terminando com a fase final em que nada se come e é bebido um vinho tinto doce, um símbolo dos tempos messiânicos onde todos estão satisfeitos celebrando a vida como uma festa eterna.

 

O ordem é: frutas de casca dura e vinho branco seco; frutas com caroços e vinho branco com uma gota de vinho tinto; frutas completamente comestíveis com vinho rosé; finalmente sem frutas, só vinho tinto doce. Antes de comer as frutas, diz-se bênção para cada fruta.

 

4 estações tu beshvat2 As quatro estações

 

Hoje em dia, muitas sinagogas progressistas oferecem um Seder Tu b’Shevat congregacional. Às vezes, aquelas antigas ideias cabalísticas são revividas. Mas mais frequentemente, o aniversário das árvores tem um significado ecológico. Hoje em dia, é importante reflectir sobre o valor das árvores para o nosso mundo e para o ambiente natural em geral. Existem belos textos sobre árvores e a natureza na Bíblia, no Midrash e Talmud, e na literatura que reflecte o valor e a beleza das árvores e dos bosques. Neste caso, todos os tipos de frutas são comidos junto com vinho ou sumo, mas os textos são textos modernos sobre a nossa responsabilidade para o ambiente.

 

artigo tu beshvat

No estado moderno de Israel Tu be Shevat tornou-se um dia de plantação de árvores. Os fundadores do Estado de Israel salientaram dias que poderiam ser celebrados por judeus seculares também. E Tu biShevat foi um desses dias, sobre os quais se poderia concentrar no desenvolvimento do Estado moderno. Então, actualmente o Tu Bi’Shevat tem também um significado sionista. Está associado com o nascimento do Estado judeu, com novas terras agrícolas no meio do deserto e com o apoio do desenvolvimento da terra de Israel. Muitas canções infantis de crianças foram compostas para Tu b’Shevat em Israel. Aqui não é importante um seder de frutas, mas a plantação de uma árvore e o ser feliz.

 

Então, seja o que você gostasse de sublinhar este ano: seja a lembrança da imposição do templo antigo, sejam as ideias cabalísticas sobre frutas e árvores como símbolos do nosso carácter ou espiritualidade, seja o sentimento de ser conectado com a terra e com o Estado de Israel ou com a natureza em geral – na sexta-feira dia 10 de Fevereiro à noite e Sábado dia 11 será o dia 15 do mês judeu de Shevat, em hebreu: Tu biShevat, o aniversário das árvores. Vamos celebrar!

 

 

Acessos: 406

Annette Boeckler
Dr.ª Annette Mirjam Böckler é professora de Liturgia Judaica e Bíblica na Universidade Leo Baeck, em Londres, onde é também Bibliotecária. Escritora e tradutora em matérias Judaicas (sendo a tradutora do Seder haTefillot - o primeiro livro de Orações liberal após o Shoah na Alemanha), tem desenvolvido a tradução da edição alemã dos comentários da Torah de W. Gunther Plaut.