Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

Purim e Judaísmo Progressista

  |   Festividades, Judaísmo

Purim pode ser explicado facilmente: Fomos perseguidos, ganhámos, vamos comer. Enquanto as pessoas não se importarem realmente com o que diz a Meguilá de Esther, e enquanto as pessoas não se preocuparem realmente em como viver dentro do nosso ambiente não-judaico hoje em dia, Purim não será um problema. Mas assim que as pessoas se importarem, começarão a ter problemas enormes. E, portanto, é mais fácil dizer: Bem, Purim é um festival tão agradável para as crianças.

 

Explicando a relação entre o Judaísmo Progressista e o Purim, uma questão é engraçada, mas outra é muito séria:

  • Purim é um evento popular e irracional. Não há decoro no serviço, não há nenhuma ordem em tudo. Os judeus na Alemanha no século XIX, onde o Judaísmo Progressista nasceu, não gostavam muito disso. Mas já no início do século XX, houve um desenvolvimento no judaísmo progressista para falar sobre os três festivais infantis: Purim, Chanucá e Simchat Torá. Por conseguinte, a megilá, – que tradicionalmente é lida em voz baixa e rapidamente, ininterrupta, – nas sinagogas progressivas tornou-se um evento de Carnaval, lida em voz alta, principalmente na língua vernácula, com efeitos especiais e interrompida por actuações das crianças. Além disso, a meguilá muitas vezes não é lida completamente, apenas as partes agradáveis para as crianças. Muitas vezes as pessoas pensam que se trata de uma forma de encurtar o serviço, mas não… na verdade, não. Existe um motivo importante.
  • Todos nós sabemos que temos que ler um livro até o fim para conhecer verdadeiramente a sua história. Não devemos parar em Ester 7. Há também os capítulos 8, 9 e 10. E eles contêm a mensagem principal e o objectivo deste livro: Mardoqueu era agora poderoso no palácio real. Então, os judeus atacaram os seus inimigos com a espada, matando e destruindo. Realizaram a sua vontade sobre os seus inimigos. Na fortaleza de Susã, os judeus mataram um total de quinhentos homens (Ester 9:4-6). Destruíram os seus inimigos, matando setenta e cinco mil (9:16). Foi uma grande vingança. Os judeus em Susã reuniram-se tanto no décimo terceiro e décimo quarto dias, e assim descansaram no dia 15, fazendo dele um dia de festa e alegria (9:18). Purim muito feliz! Gostaria de ter celebrado Purim com eles?

 

Hoje em dia, muitas sinagogas progressistas oferecem eventos de estudo em Purim. Porque hoje é mais importante do que nunca falar sobre  o nosso relacionamento com os nossos vizinhos não-judeus. Nós partilhamos um passado desastroso. Mas será solução repetir a história de violência assim que nós judeus tenhamos um pouquinho de poder? No século XXI precisamos de falar sobre as nossas feridas, sobre os nossos medos e sobre os nossos preconceitos uns contra os outros. Hoje somos livres para decidir de novo quem queremos ser, o que é a nossa identidade judaica e como viver no lugar onde estamos a viver. Para o Judaísmo Progressista, hoje em dia, não é sobre usar espadas, mas sobre fazer encontros, primeiro para nos conhecer uns aos outros, e talvez depois ganhar confiança e finalmente, talvez, trabalhar em conjunto para tornar o nosso mundo comum um pouco melhor para todos.

 

(Além disso: historicamente, o império persa, onde o conto da meguilá acontece, representava a tolerância religiosa e era por causa do império persa que os judeus podiam retornar do exílio babilónico para a terra de Israel e reconstruir o templo. A história da meguilá é um conto de fadas, e um conto de ficção que a pessoas no tempo antigo compreenderam – mas provocador –, e justamente por isso foi escrito, para levar os judeus de cada geração a pensar. A meguilá levanta a questão a cada um: gostaria se fosse DESTA maneira?)

 

Então, não vamos apenas dizer “Purim feliz”, mas vamos desejar um Purim reflexivo; que seja uma boa preparação para a próxima festa judaica (Purim e Chanucá são apenas dias úteis comemorativos, não festivais judaicos). A próxima festa será Pessach, dias cheios de ordem, sem uma má palavra contra os egípcios.

 

Leitura: Meguilá de Esther (Hebreu, Inglês com cometários).

 

 

Acessos: 417

Annette Boeckler
Dr.ª Annette Mirjam Böckler é professora de Liturgia Judaica e Bíblica na Universidade Leo Baeck, em Londres, onde é também Bibliotecária. Escritora e tradutora em matérias Judaicas (sendo a tradutora do Seder haTefillot - o primeiro livro de Orações liberal após o Shoah na Alemanha), tem desenvolvido a tradução da edição alemã dos comentários da Torah de W. Gunther Plaut.