Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

Parashá da Semana

  |   Judaísmo

Parashá da Semana

Não nos cabe concluir toda a obra

Na leitura da Torá desta semana, Moshé Rebeinu recebe uma das mais tristes notícias de toda a sua vida. O nosso líder descobre que não entraria em Canaã. Morreria sem conhecer a Terra Santa.

Moisés nasceu no Egipto e dedicou a sua vida ao povo judeu. Ainda jovem teve de enfrentar o Faraó e tirar o povo da escravidão. Atravessou o Mar Vermelho. Suportou reclamações no deserto: fome, sede. Desceu o Monte Sinai trazendo as leis para um povo que se curvava a um bezerro de ouro. Caminhou 40 anos no deserto. E depois de tudo isso vem a triste notícia…

Quais eram as razões de Deus para uma decisão tão cruel?

Moshé, segundo os sábios do Midrásh, havia perdido o jeito de liderar. Um dos principais motivos para o seu desânimo teria sido a morte da sua irmã. Miriam tinha sido muito importante para Moshé, desde o momento em que arriscou a sua vida para acompanhar o destino da cesta que levava o bebé pelo Rio Nilo. O nosso líder estava abalado emocionalmente.

Além disso, Moisés estava a pagar por um erro cometido. Quando o povo reclamava por água, Deus instruiu-o a falar com uma rocha que dela brotaria água potável. Em vez de falar, Moisés feriu a rocha com o seu cajado e como se não bastasse fez pela segunda vez. Errar é humano, mas insistir intencionalmente no erro é proibido pela Torá. Como esse, Moisés havia cometido inúmeros erros, porém neste reincidiu. Cometeu duas vezes, e por isso Deus resolve castigá-lo.

Ao contrário do que poderíamos imaginar, Moisés se despediu do povo com dignidade e não se arrependeu de ter dedicado a vida à chegada de uma terra que nunca alcançaria.

Na nossa vida, estamos  constantemente construindo. Não sabemos quanto tempo vamos viver e de quais projectos desfrutaremos, mas isso não impede o nosso trabalho. O nosso lema é continuidade.

Quando nascemos, já encontramos muitas facilidades, muitas coisas já haviam sido feitas pelos nossos pais e avós. Não temos o direito de interromper essa corrente.

      Como ensina a Ética dos Pais: “Não precisamos concluir toda a obra, ao mesmo tempo, não podemos nos furtar de produzir o máximo possível”. 

Moisés nos ensinou a viver intensamente cada momento. Que possamos ter foças até os 120 anos (como ele viveu) para colher os nossos próprios frutos e que plantemos um excedente para garantir um futuro para os nossos filhos e filhas, netos e netas.

Shabat Shalom !

Rabino Michel Schlesinger

Fonte cip.org.br
Parashá da Semana - פרשת פינחס
Início
Fim
Tel Aviv
19:28
20:36
Jerusalém
19:04
20:33
Haifa
19:29
20:36
Beer Sheeva
19:26
20:34
Zmanim Diário

Acessos: 80304

Ohel Jacob
Sinagoga de rito Progressista, única askenazi em Portugal, fundada em 1934. Membro Afiliado da EUPJ/WUPJ (European Union Of Progressive Judaism / World Union Of Progressive Judaism) desde Abril de 2016.