Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Filter by Categories
Acontecimentos
Actividades
Divulgação
English
Eventos
Festividades
História
Institucional
Judaísmo
Personalidades
Português

Mês de Kislev

  |   Judaísmo, Português

O mês de Kislev (כִּסְלֵו) é o nono mês do ano judaico. O nome do mês é Akkadian kislimu, que significa “espessado”, devido à abundância de chuvas neste tempo do ano.

O mês de Kislev é famoso por causa de sua festa popular: Chanucá que começa no dia 25 de Kislev e dura 8 dias (como a festa de Sucot). Há várias explicações sobre Chanucá.

 

150De acordo com o Talmud (Tratado Shabbat 21b) foi um milagre. “Qual é a razão para Chanukah? Nossos Rabinos ensinaram: No dia 25 de Kislev começam os dias de Chanuká, que são oito, durante os quais a lamentação dos mortos e do jejum é proibida. Quando os gregos entraram no Templo, contaminaram todos os óleos, e quando a dinastia hasmoneana prevaleceu e os derrotou, eles buscaram e encontraram apenas uma ânfora de óleo que possuía o selo do Sumo Sacerdote, mas que continha óleo suficiente para apenas um dia de iluminação. Contudo, um milagre ocorreu e as velas mantiveram-se acesas por oito dias.” A menorá (o candelabro) no Templo – o símbolo da presença de Deus – poderia ser acesa. Os sete braços deste candelabro no Templo simbolizam as sete palavras hebraicas da frase “Não pelo poder nem pela força, mas por Meu espírito, diz o Eterno” (Zacarias 4:6). Chanucá tornou-se um festival de esperança e de paz.

 

151De acordo com os Livros dos Macabeus (I Mac 1-2.4), houve uma grande batalha. Em 168 AEC, o governante do reino sírio, Antíoco Epifânio IV, entrou em Jerusalém, vandalizou o Templo, erigiu um ídolo no altar e profanou sua santidade com o sangue de suínos. Decretando que o estudo da Torá, a observância do sábado e a circuncisão eram puníveis com a morte. Quando os soldados sírios  chegaram a Modin (cerca de 12 milhas a noroeste de Jerusalém) para verificar que todos os judeus  se envolviam na adoração de ídolos, eles exigiram que o líder local, Mattathias haKohen, fosse um exemplo para seu povo, sacrificando um porco num altar pagão portátil. Mas ele se recusou e chamou o povo para lutar contra os sírios. Mattathias e seus cinco filhos (Jonatã, Simão, Judá, Eleazar e Yohanã) fugiram para as colinas e cavernas do deserto arborizado de Judá com a chamada de batalha “Quem está para Deus, segue-me!” Unidos por um exército rajado de simples fazendeiros, armados apenas com lanças, arcos e flechas e pedras, os Macabeus, como são chamados os filhos de Matatias, lutaram numa guerra de guerrilha contra o exército grego bem treinado e bem equipado. Em três anos, os Macabeus abriram o caminho de volta para o Monte do Templo, que eles recuperaram. Limparam o Templo, desmantelaram o altar contaminado e construíram um novo em seu lugar. No dia 25 de Kislev de 165 AEC, os Macabeus realizaram uma dedicação (hanukkah) do Templo com sacrifício apropriado, e celebraram a última festa que não tinham sido capazes de celebrar: os oito dias de Sukkot. Então, Chanucá – desde lá celebrado cada ano para homenagear os vitoriosos Macabeus  – tornou-se um festival que comemora uma luta corajosa, uma rebelião e vitória militar de uma minoria sobre um exército.

 

152Do ponto de vista dos historiadores Chanucá é a versão judaica da antiga festa romana do Solstício de Inverno. Experimentamos a noite mais longa do ano, o período mais longo de escuridão. Que momento perigoso. Este é realmente um tempo para que os Deuses sejam invocados. Esse momento, o dia 25 do décimo mês romano, representou a festa de aniversário do Deus “Sol Invictus” – o sol invencível. Um dia de feriado do estado romano. No ano 330, o imperador romano Constantino declarou o Cristianismo como religião do Estado romano e mudou o antigo Deus Sol para o novo Deus cristão Jesus como “lux mundi”: a luz do mundo. E a festa de aniversário do Sol desde então se chama Natal. Enquanto isso os judeus, igualmente influenciados pela cultura greco-romana, celebram a sua versão desse festival romano de luzes. E desde o século XIX os judeus começaram a adaptar os costumes cristãos do Natal e a transformá-los em Chanucá. Agora também nós judeus temos presentes, doces, festas, canções felizes e mais: HAPPY Chanucá, Feliz Chanucá.

 

 

Annette Boeckler

Dr.ª Annette Mirjam Böckler é professora de Liturgia Judaica e Bíblica na Universidade Leo Baeck, em Londres, onde é também Bibliotecária. Escritora e tradutora em matérias Judaicas (sendo a tradutora do Seder haTefillot – o primeiro livro de Orações liberal após o Shoah na Alemanha), tem desenvolvido a tradução da edição alemã dos comentários da Torah de W. Gunther Plaut.