Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

השואה Shoá – Dia Internacional da Lembrança do Holocausto

  |   Judaísmo

Hoje, dia 27 de janeiro, relembramos a Shoá, “a catástrofe” em Hebraico. A Shoá foi o assassinato em massa de cerca de seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial; o maior genocídio do século XX, através de um programa sistemático de extermínio étnico patrocinado pelo Estado nazi, liderado por Adolf Hitler e pelo Partido Nazi e que ocorreu em todo o Terceiro Reich e nos territórios ocupados pelos alemães durante a guerra. Dos nove milhões de Judeus que residiam na Europa antes do Holocausto, cerca de dois terços foram mortos; mais de um milhão de crianças, dois milhões de mulheres e três milhões de homens Judeus morreram durante o período.

É preciso lembrar que nós, como Judeus residentes na Europa, somos, mais do que nunca, responsáveis por continuar a viver o legado desses nossos irmãos e irmãs que tiveram suas vidas ceifadas de maneira tão violenta e inusitada.

Honramos a memória dos seis milhões de Judeus mortos na Shoá quando nos comprometemos com o melhoramento do mundo através de nossas ações diárias. A cada dia, temos uma nova oportunidade de fazer a diferença no mundo através de um sorriso, de uma palavra de conforto, da doação do nosso tempo ou dinheiro, e de muitas outras maneiras. Cabe a nós estar sempre alerta para as oportunidades de agir e contribuir para a melhoria do nosso mundo.

Apesar da dor da Shoá, os Judeus continuam a deixar sua marca positiva no mundo até hoje. A grande lição que fica é que, para sobrevivermos e prosperarmos, é preciso sempre acreditar no bem e nunca perder a esperança. Esta frase escrita por Anne Frank, adolescente Judia morta na Shoá e escritora do diário mais famoso do mundo, ilustra bem este ponto:

“É difícil em tempos como estes: ideais, sonhos e esperanças permanecerem dentro de nós, sendo esmagados pela dura realidade. É um milagre eu não ter abandonado todos os meus ideais, eles parecem tão absurdos e impraticáveis. No entanto, eu me apego a eles, porque eu ainda acredito, apesar de tudo, que as pessoas são realmente boas de coração”.

Ana Scherer

Ohel Jacob
Sinagoga de rito Progressista, única askenazi em Portugal, fundada em 1934. Membro Afiliado da EUPJ/WUPJ (European Union Of Progressive Judaism / World Union Of Progressive Judaism) desde Abril de 2016.