Generic selectors
Pesquisa exacta
Pesquisar em título
Pesquisar em conteúdo
Pesquisar em artigos
Pesquisar nas páginas
Filtrar por Categorias
Eventos
Festividades
Institucional
Judaísmo
Ligações
Personalidades
Visitas Guiadas

Parashá da Semana

  |   Judaísmo

Parashá da Semana

Nem uma a menos

Numa sociedade na qual a busca de equidade de direitos entre homens e mulheres vem crescendo cada vez mais, esta parashá traz-nos um elemento extremamente complexo. Numa primeira leitura, a cerimónia de Sotá pode ser assustadoramente agressiva para as mulheres. Dar razão ao marido ciumento que tem poder sobre a sua esposa e a faz passar por um momento de total humilhação para que ele fique mais tranquilo, parece ser um absurdo.

A mulher é, no mundo da época bíblica, propriedade masculina. O homem estaria no seu completo direito de fazer o que quisesse em relação à sua esposa em qualquer circunstância. Com sorte, um marido raivoso poderia abandoná-la, outras menos sortudas poderiam ver o fim dos seus dias sem ter nenhuma oportunidade de se defender. A própria Torá tem como punição às mulheres adúlteras a pena de morte, assim como outras culturas da época.
Seria óptimo pensar que esta visão é arcaica e não tem mais nenhuma relação com a nossa realidade. Infelizmente, sabemos que muitos relacionamentos ainda estão sob esta premissa e sob esta óptica, muitos defendem que a complicada e humilhante cerimónia de Sotá é uma tentativa de defender a mulher desse marido ciumento que tudo pode sobre ela.
Nessa cerimónia, a mulher é levada ao sacerdote, que preparará uma água mágica com terra do chão do Tabernáculo, tinta dissolvida de um pergaminho (no qual estaria escrito o nome de Deus). Ele desmanchará os seus cabelos e fará que com que ela jure não se ter deitado com outro homem. A mulher poderia confessar neste momento ou tomar da água amarga e amaldiçoada. Se fosse culpada, o seu corpo seria deformado, se fosse inocente receberia como recompensa, bons partos.
Uma cerimónia pública e humilhante. Na qual as opções da mulher eram: sair deformada ou ter bons partos no futuro. Bons partos com esse mesmo marido que a fez passar por tudo isso. Uma leitura actual desta história faz com que isto seja quase impossível. Quem voltaria a ter um relacionamento com alguém que fez com que passasse por uma vergonha pública e humilhação pela pura e simples falta de confiança? Como fazer para reconstruir esse relacionamento? A confiança é algo que demora bastante para ser construída e apenas alguns segundos para se desfazer. E se reconstruir, demora muito mais do que na primeira vez.
Uma leitura entendendo o momento histórico-social em que isso foi escrito, nos leva a uma leitura completamente oposta. Dado o poder que o marido tinha sobre a sua esposa, e os perigos que ela enfrentava, caso ele pudesse fazer o que quisesse, voltar ao marido com a consciência tranquila é o melhor que poderia acontecer. Uma mulher abandonada dificilmente teria como se casar novamente (quando não fosse pior ) e ficaria à mercê da vida. A cerimónia de Sotá é lida por muitos, nesse contexto, como uma possibilidade de vida da mulher. O marido não poderia fazer nada apenas com a suspeita, precisaria de provas e de testemunhas.
A tradição judaica diz que essa cerimónia não deve ter sido realmente levada a cabo nunca. Talvez isso nos dê um pouco mais de conforto em relação a essa passagem. Ou talvez o nosso único conforto venha de saber que actualmente estamos a começar a caminhar para outro papel da mulher num relacionamento. Depois de milhares de anos em que as mulheres foram meros objectos, hoje podemos dizer que a mudança já começou. Apenas começou. Estamos muito longe de afirmar que mulheres já não morrem nas mãos de maridos ciumentos. Como será que poderemos traduzir essa cerimónia para algo mais actual e menos humilhante? Que possamos ajudar essa caminhada em direcção a “Nem Uma A Menos”.
Shabat Shalom
Rabina Fernanda Tomchinsky-Galanternik
Fonte cip.org.br
Parashá da Semana - פרשת שלח־לך
Início
Fim
Tel Aviv
19:32
20:40
Jerusalém
19:07
20:37
Haifa
19:33
20:41
Beer Sheeva
19:30
20:38
Zmanim Diário

Acessos: 79906

Ohel Jacob
Sinagoga de rito Progressista, única askenazi em Portugal, fundada em 1934. Membro Afiliado da EUPJ/WUPJ (European Union Of Progressive Judaism / World Union Of Progressive Judaism) desde Abril de 2016.