Mês de Kislev

  |   Português, Judaísmo

O mês de Kislev (כִּסְלֵו) é o nono mês do ano judaico. O nome do mês é Akkadian kislimu, que significa “espessado”, devido à abundância de chuvas neste tempo do ano.

O mês de Kislev é famoso por causa de sua festa popular: Chanucá que começa no dia 25 de Kislev e dura 8 dias (como a festa de Sucot). Há várias explicações sobre Chanucá.

 

150De acordo com o Talmud (Tratado Shabbat 21b) foi um milagre. “Qual é a razão para Chanukah? Nossos Rabinos ensinaram: No dia 25 de Kislev começam os dias de Chanuká, que são oito, durante os quais a lamentação dos mortos e do jejum é proibida. Quando os gregos entraram no Templo, contaminaram todos os óleos, e quando a dinastia hasmoneana prevaleceu e os derrotou, eles buscaram e encontraram apenas uma ânfora de óleo que possuía o selo do Sumo Sacerdote, mas que continha óleo suficiente para apenas um dia de iluminação. Contudo, um milagre ocorreu e as velas mantiveram-se acesas por oito dias.” A menorá (o candelabro) no Templo – o símbolo da presença de Deus – poderia ser acesa. Os sete braços deste candelabro no Templo simbolizam as sete palavras hebraicas da frase “Não pelo poder nem pela força, mas por Meu espírito, diz o Eterno” (Zacarias 4:6). Chanucá tornou-se um festival de esperança e de paz.

 

151De acordo com os Livros dos Macabeus (I Mac 1-2.4), houve uma grande batalha. Em 168 AEC, o governante do reino sírio, Antíoco Epifânio IV, entrou em Jerusalém, vandalizou o Templo, erigiu um ídolo no altar e profanou sua santidade com o sangue de suínos. Decretando que o estudo da Torá, a observância do sábado e a circuncisão eram puníveis com a morte. Quando os soldados sírios  chegaram a Modin (cerca de 12 milhas a noroeste de Jerusalém) para verificar que todos os judeus  se envolviam na adoração de ídolos, eles exigiram que o líder local, Mattathias haKohen, fosse um exemplo para seu povo, sacrificando um porco num altar pagão portátil. Mas ele se recusou e chamou o povo para lutar contra os sírios. Mattathias e seus cinco filhos (Jonatã, Simão, Judá, Eleazar e Yohanã) fugiram para as colinas e cavernas do deserto arborizado de Judá com a chamada de batalha “Quem está para Deus, segue-me!” Unidos por um exército rajado de simples fazendeiros, armados apenas com lanças, arcos e flechas e pedras, os Macabeus, como são chamados os filhos de Matatias, lutaram numa guerra de guerrilha contra o exército grego bem treinado e bem equipado. Em três anos, os Macabeus abriram o caminho de volta para o Monte do Templo, que eles recuperaram. Limparam o Templo, desmantelaram o altar contaminado e construíram um novo em seu lugar. No dia 25 de Kislev de 165 AEC, os Macabeus realizaram uma dedicação (hanukkah) do Templo com sacrifício apropriado, e celebraram a última festa que não tinham sido capazes de celebrar: os oito dias de Sukkot. Então, Chanucá – desde lá celebrado cada ano para homenagear os vitoriosos Macabeus  – tornou-se um festival que comemora uma luta corajosa, uma rebelião e vitória militar de uma minoria sobre um exército.

 

152Do ponto de vista dos historiadores Chanucá é a versão judaica da antiga festa romana do Solstício de Inverno. Experimentamos a noite mais longa do ano, o período mais longo de escuridão. Que momento perigoso. Este é realmente um tempo para que os Deuses sejam invocados. Esse momento, o dia 25 do décimo mês romano, representou a festa de aniversário do Deus “Sol Invictus” – o sol invencível. Um dia de feriado do estado romano. No ano 330, o imperador romano Constantino declarou o Cristianismo como religião do Estado romano e mudou o antigo Deus Sol para o novo Deus cristão Jesus como “lux mundi”: a luz do mundo. E a festa de aniversário do Sol desde então se chama Natal. Enquanto isso os judeus, igualmente influenciados pela cultura greco-romana, celebram a sua versão desse festival romano de luzes. E desde o século XIX os judeus começaram a adaptar os costumes cristãos do Natal e a transformá-los em Chanucá. Agora também nós judeus temos presentes, doces, festas, canções felizes e mais: HAPPY Chanucá, Feliz Chanucá.

 

 

Annette Boeckler
Dr.ª Annette Mirjam Böckler é professora de Liturgia Judaica e Bíblica na Universidade Leo Baeck, em Londres, onde é também Bibliotecária. Escritora e tradutora em matérias Judaicas (sendo a tradutora do Seder haTefillot - o primeiro livro de Orações liberal após o Shoah na Alemanha), tem desenvolvido a tradução da edição alemã dos comentários da Torah de W. Gunther Plaut.